quinta-feira, agosto 13, 2009

As aventuras de um metalhead pelo jazz

O guitarrista norte-americano Alex Skolnick, nascido em Berkeley (29 de setembro de 1968), Califórnia, possui uma trajetória curiosa. Abandonou o Testament no auge do sucesso, em 1993.

A alegação de que estava desanimado em relação ao metal não colou, já que em seguida entrou para o Savatage, grupo com o qual gravou o ótimo Handful of Rain.

Em 2001, regravou algumas músicas com o Testament para uma coletânea e retornou em definitivo quatro anos depois, quando lançaram Live In London. Hoje, o guitarrista diz que precisava desse tempo afastado para amadurecer como pessoa e músico.

A partir da metade da década de 90, Alex Skolnick se enveredou para o jazz fusion. Produziu dois álbuns com o Attention Deficit e, em 2001, formou o seu trio. Com Nathan Pack (baixo) e Matt Zebroski (bateria) gravou três discos, que trazem releituras jazz para clássicos do rock e composições próprias.

Se o Testament é considerado um dos maiores grupos do thrash metal, muito se deve a esse guitarrista, de longe o mais habilidoso do gênero. Por conta dessas aventuras pelo jazz, Skolnick se tornou um músico completo. Isso fica claro em The Formation of Damnation (2008), último trabalho da banda.

Ouça a versão jazz do Alex Skolnick Trio para Money (Pink Floyd).

15 comentários:

Ramiro Catelan disse...

Bah! Adorei essa versão... ficou bem diferente da original, que particularmente eu acho meio viajada demais pro meu gosto. Eu tinha um disco do Testament, mas ouvia só de vez em nunca nos meus tempos de true poser, hahaha.

Abraço

streeto disse...

Meio doido, mas ficou bom. :)

Guttwein disse...

Meu, esse clipe que vc indicou é sensacional!! hahAHahAHa!! Os raios saindo da mão do Skolnick... um efeito muito interessante! achei irado...
A unica coisa que acho é que o Testament merecia um vocal mais a altura... não passa pela minha cabeça ninguem agora, mas esse ai nunca me agradou...
E outra, o Skolnick até pode dar umas sapiadas pelo blus mas, se bandear por completo para lá, o trash perde e perde muito! Esse cara é fod*!! rsrs : D

Guttwein disse...

O Daniel, se viu cara... o Lester Les Paul morreu!! que ziiiiiiiica!! : /

Andréa M. disse...

nossa, nossa, nossa, nossa *-*
já baixei. rs.

Cooringa disse...

Não curto som do Mal ... =pP
E também não deu para escutar a versão de Money ... Então fico com a impressão de música do Mal que tenho
=D
Abraço

João Pedro Ramos disse...

Não sou muito de jazz, mas até acho legal de vez em quando...

E adoro essas versões covers inusitadas, tipo versões country, versões punk, versões orquestradas...

Frank Kair disse...

Baita guitarrista, um exemplo de como pode-se muito bem ser adepto de estilos diferentes. Geralmente metalheads são metalheads e jazzistas são jazzistas. Mas existem os caras que tem cabeça aberta (to tentando virar um deles!).

A versão de Pinball Wizard (The Who) e Highway Star (Deep Purple) desse cara é que quebra tudo!

Eduardo Nunes disse...

Não curto thrash metal, mas adorei o lado jazzeiro do cara.

Abraço

adjetivando disse...

Jazz não é muito minha praia, mas o clipe é bem bacana!

Abraço e foi mal pelo calote =D

Emanuel Júnior disse...

Toca muito!

kaio disse...

Foda.

Testament é a banda do trash.

Abraço!

arash gitzcam disse...

Intrigante.

rodrigo disse...

"já baixei. rs."

Onde? rs

OGROLÂNDIA disse...

Vi o Alex Skolnick ao vivo em um show do Testament, que é uma das bandas mais avassaladoras no palco que eu já vi. Ver..ops...ouvir essa faceta musical do cara é interessante..mas falar o que? toca pra baralho em qualquer estilo.